O empresário Edison Luiz Brittes Júnior, sua esposa Cristiana Rodrigues Brittes e sua filha Allana Emilly Brittes foram condenados pela morte do ex-jogador de futebol Daniel Corrêa Freitas. O crime ocorreu em outubro de 2018, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. Após três dias de júri, o julgamento dos acusados foi concluído nesta quarta-feira (20).
Edison Luiz Brittes Júnior, que confessou ter assassinado Daniel, recebeu a maior pena, sendo condenado a 42 anos de prisão. Ele foi considerado culpado por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menores e coação no curso do processo. Além dessa pena, Edison também foi condenado a mais 2 anos e 5 meses de detenção, que poderão ser cumpridos em regime aberto.
Cristiana Rodrigues Brittes, esposa de Edison, foi condenada a 6 meses de prisão e 1 ano de reclusão pelos crimes de fraude processual e corrupção de menores. No entanto, ela foi inocentada das acusações de homicídio qualificado e coação no curso do processo. Já Allana Emilly Brittes, filha do casal, foi condenada a 6 anos, 5 meses e 6 dias de prisão pelos crimes de fraude processual, corrupção de menores e coação no curso do processo.
Relembrando o caso, Daniel Corrêa Freitas foi encontrado morto em um matagal em São José de Pinhais, com sinais de tortura, incluindo o pescoço quase degolado e o pênis decepado. Segundo informações do processo, antes de ser assassinado, o jogador esteve na festa de 18 anos de Allana em uma casa noturna em Curitiba. A decisão ainda cabe recurso.

Se é Notícia , #tanojornaldopovo