A pergunta que não quer calar: onde está Isis Victoria Mizerski? A jovem de 17 anos está desaparecida há quase um mês. De acordo com as informações da Polícia Civil do Paraná (PC-PR), a adolescente foi vista pela última vez em Tibagi, cidade dos Campos Gerais, no dia 6 de junho.
Investigações estão em andamento para apurar o paradeiro de Isis, contudo, ainda não há indícios de onde ela pode estar. Inclusive, conforme apurado pelas autoridades, a menor de idade sumiu depois de sair para se encontrar com o vigilante Marcos Vagner de Souza. A adolescente estava grávida e o homem é apontado como pai do bebê.
Ainda conforme a Polícia Civil, Marcos está preso preventivamente desde o dia 17 de junho após se entregar. Durante depoimento, ele confirmou que se encontrou com a jovem e disse que a deixou em uma vila de Tibagi. O vigilante, no entanto, negou ter envolvimento no desaparecimento de Isis.
Por não haver informações sobre o paradeiro da adolescente, equipes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Polícia Civil trabalham arduamente em matas da região de Tibagi para encontrar Isis. Os trabalhos estão focados, principalmente, na área em que a localização do celular da menor de idade mostrou em que ela esteve.
Em uma nota enviada à imprensa, a Polícia Civil afirmou que está empenhada em elucidar o caso. “A Polícia Civil do Paraná (PCPR) está empenhada em utilizar todos os recursos técnicos, tecnológicos e humanos disponíveis para a rápida resolução deste caso. Para garantir a integridade e a eficiência das investigações, é crucial mantermos, neste momento, um nível elevado de sigilo”, afirmou em um comunicado enviado ao G1.

Advogado da família fala sobre o caso

Claudio Dalledone, advogado da família de Isis, concedeu uma entrevista na última quinta-feira (27) e relatou que os parentes da jovem estão abalados com toda a situação.
“Num primeiro momento precisamos saber se ela está viva ou morta. A partir disso que se desenvolvem caminhos para o processo. Os familiares acordam com a esperança de encontrar ela viva e adormecem com o sentimento dessa menina estar morta. A família está num turbilhão emocional muito grande”, contou Dalledone.
Ainda na quinta-feira (27), o tio da adolescente, Rodrigo Mizerski, acusou o vigilante Marcos de ter ligação com o sumiço da sobrinha. “Enquanto nós estamos num quebra-cabeça, o suspeito se encontra numa cela protegido, sem falar e aguardando se vão encontrar algo que ele fez”, disse.
Os advogados Renato Tauille, Tainan Laskos e Guilherme Oliveira, que representam Marcos Vagner, afirmam que refutam “integralmente qualquer envolvimento dele no desaparecimento da adolescente Isis”.

“A defesa vem acompanhando a investigação da Polícia Civil do Paraná e está analisando os elementos de prova já colhidos pela autoridade policial para definir as próximas medidas a serem adotadas. Reafirmamos que Marcos Vagner não possui qualquer envolvimento com o desaparecimento da adolescente e comprovará a sua inocência”, afirmam os advogados.

Adolescente teve caso com Marcos

O vigilante e Isis tiveram um caso amoroso. Como consequência disso, a menor de idade acabou engravidando de Marcos – fato que não havia chegado ao conhecimento de todos.
A jovem disse para a irmã e para uma prima que planejava contar à mãe que estava grávida na mesma noite em que sumiu e que, apesar de Marcos querer que ela fizesse um aborto, ela tinha a intenção de ter o bebê e estava escolhendo o nome da criança.
No primeiro depoimento, no dia 10 de junho, Marcos Vagner de Souza confirmou que se encontrou com Isis no dia que ela desapareceu. Segundo o delegado Jonas Avelar, ele disse que a deixou em uma vila da cidade, negando ter envolvimento em qualquer crime.
A Polícia Civil conseguiu a quebra de sigilo dos celulares de Isis e Marcos e afirma que os dados apontam que o vigilante esteve no mesmo lugar que a adolescente nos dois dias seguintes ao desaparecimento dela.
Dias depois, a polícia apreendeu celulares e outros pertences do vigilante e no dia 14 um mandado de prisão foi expedido em nome dele, mas o homem não foi mais encontrado.
O homem se entregou à polícia três dias depois e está preso desde 17 de junho.
No dia 26, o delegado Jonas Avelar disse que a polícia suspeita que há mais pessoas envolvidas no desaparecimento da jovem, mas que preferia não dar detalhes para não atrapalhar as investigações.
Fonte: G1

Se é Notícia , #tanojornaldopovo